Blog

20/07/2020
Por: Luiz Moura

O MaaS está florescendo para dar às pessoas a liberdade de mobilidade: transição para um novo paradigma

Diante das recentes movimentações econômicas, a indústria da mobilidade inegavelmente foi uma das que esteve em grande evidência. O modelo de ir e vir anterior, com grandes veículos carregando um número elevado de passageiros, começou a ser questionado por instituições e corporações — sobretudo pelas implicações em relação aos impactos na saúde pública.

O mais intenso e inovador movimento da categoria, conhecido como Mobility as a Service ganhou protagonismo nesta discussão, que recentemente foi brilhantemente trazida pela Urban Mobility Company. A francesa UMC, como é conhecida coloquialmente, capitaneia estudos de mercado sobre como a mobilidade tem se transformado ao longo do tempo, além de apontar suas tendências para o médio e longo prazos.

E foi com base em sua última publicação, que escrevemos este artigo. Se você ainda não se inteirou sobre o termo MaaS (e o que ele significa para a nossa realidade no Brasil e na América Latina), não se preocupe — está tudo explicado logo abaixo.

Mobilidade e tecnologia: parceiros de um ecossistema de transporte inteligente

A expansão incessante da digitalização, o surgimento da economia compartilhada e a expansão de inúmeras plataformas. Esses são os três principais eventos que desencadearam o desenvolvimento da Mobility as a Service (Mobilidade como Serviço, ou simplesmente MaaS) nos últimos anos, induzindo o desenvolvimento de novos modelos de mobilidade urbana comercial.

Essas mudanças na sociedade nos levaram ao momento presente, onde a Mobilidade como Serviço tem uma missão a cumprir, e não é particularmente fácil. Proporcionar às pessoas a liberdade de mobilidade  na nova era estabelece um enorme desafio, mas as empresas que aplicam o modelo MaaS já estão buscando esse objetivo.

Ainda estamos nos primeiros dias da Mobilidade como serviço em todo o mundo, mas algumas cidades europeias estão assumindo a liderança. Esse modelo parece corresponder especialmente bem a algumas cidades de médio porte que oferecem as características perfeitas para seu desenvolvimento: um sólido sistema de transporte público, o aumento do uso de dispositivos digitais pelo cidadão, um governo de mente aberta e novos operadores de mobilidade com uma agilidade quadro regulamentar.

Para aqueles que não sabem em que consiste o MaaS, aqui está um breve resumo:

  • O MaaS disponibiliza a ampla gama de mobilidade aos cidadãos de maneira ideal. A combinação de diferentes modos de transporte, dos mais tradicionais (ônibus, trem) aos mais modernos (scooters ou ônibus sob demanda), cria  rotas eficientes e mais sustentáveis  que levam a uma diminuição no uso de veículos particulares.
  • Através da integração de todos os serviços de transporte em apenas uma plataforma, a sugestão de  rotas multimodais , o aumento da acessibilidade a todos os modos de transporte e as informações em tempo real, o modelo MaaS consegue atender ao máximo as necessidades do usuário.
  • O aplicativo sugere uma série de rotas de acordo com as preferências de deslocamento do usuário, reduzindo pontos tradicionais de dor, tais como: validações, atrasos, congestionamentos ou custos, colocando  o usuário no centro do sistema de transporte .
  • O cliente pode  planejar, reservar e pagar comodamente  usando essa plataforma única.

Com o que as cidades do mundo seriam se o MaaS conseguisse estender seus valores essenciais nos próximos anos?

Em resumo,  todas as redes de transporte de diferentes fornecedores estariam conectadas  e o usuário não precisaria mais se preocupar com ferramentas ou sistemas de validação diferentes. A  oferta seria totalmente adaptada às suas preferências e haveria acesso a uma ampla gama de possibilidades de deslocamento, dependendo das necessidades específicas do cliente. Além disso, a redução de veículos ocupados em cidades altamente densas seria considerável e os níveis de poluição seriam minimizados. Essas mudanças levariam a uma ruptura nos padrões de mobilidade que teria um impacto significativo nas metas de políticas públicas.

Então, o que é um exemplo? Uma plataforma MaaS é capaz de combinar um ônibus público com um serviço de táxi ou de carona, a fim de criar uma rota integrada, mostrando ao cliente todos os horários possíveis.

Isso não apenas pouparia muito tempo ao cliente. O usuário também se beneficiaria economicamente, pois levar um táxi ou veículo compartilhado diretamente para um destino específico aumenta consideravelmente o custo de uma viagem. Em outras palavras, uma plataforma MaaS otimiza a rota do passageiro, oferecendo opções de viagem mais rápidas que nunca haviam sido sugeridas antes, e agora são possíveis devido à capilaridade estendida na rede de transporte fornecida pelas plataformas MaaS.

Cidades com essas características podem parecer existir apenas em filmes. No entanto,  um relatório recente da Juniper Research  estimando US $ 405 milhões em receitas para o setor de ‘Mobilidade como serviço’ atingindo 52 bilhões de dólares até 2027 despertou o interesse de um amplo espectro de players de mobilidade, que agora estão levando em consideração a implantação do MaaS soluções para os próximos anos.

Ao adaptar o modelo de Maas, as cidades poderiam  oferecer às pessoas a liberdade que a propriedade do carro lhes dava de uma maneira diferente . Para que isso aconteça, é necessário criar confiança para que as pessoas alterem suas mentalidades.

Essa mudança de paradigma no contexto da mobilidade resolveria os sérios problemas de falta de sustentabilidade, ineficiência e desconexão que o setor de transportes está enfrentando atualmente. É necessário que entidades públicas e privadas comecem a trabalhar juntas para incentivar a expansão do MaaS para cidades maiores e além da Europa.

O que é a espinha dorsal da mobilidade como serviço? Um sistema de transporte sólido.

Para enfrentar o desafio Mobilidade como serviço, as cidades precisam contar com um sistema de transporte público estável. Segundo a Associação Americana de Transportes Públicos (APTA), cada dólar investido em transporte público traz quatro vezes mais impacto econômico. A implementação das soluções MaaS só faz sentido se os cidadãos puderem contar com serviços a um custo tão competitivo quanto dirigir um carro particular, e apenas o transporte público conseguirá isso.

Os benefícios positivos que um sólido sistema de transporte público pode obter em uma cidade são incontáveis. Em primeiro lugar, melhora a qualidade de vida das pessoas, otimizando suas rotas diárias para diferentes destinos, permitindo tempo seguro, reduzindo a pegada de carbono e, portanto, causando menos impacto ambiental. Em segundo lugar, reduz o congestionamento do tráfego, promovendo estilos de vida mais saudáveis ​​em cidades menos poluídas pelo ar, o que é essencial, considerando que mais de 90% da população mundial vive em áreas onde a poluição do ar excede os níveis seguros.

O transporte público também apoia o turismo, o que gera um maior desenvolvimento de negócios e promove uma sociedade mais igualitária. Dá a todos os cidadãos uma oportunidade acessível de se mudar, beneficiando o desenvolvimento local das cidades.

Mas os sistemas de transporte público têm uma concorrência acirrada. O modelo MaaS, juntamente com a colaboração das diferentes partes interessadas envolvidas, busca o objetivo de ser a primeira opção da sociedade no deslocamento.

De fato, em algumas cidades já foram adotadas medidas para reduzir o uso de veículos particulares e promover o transporte público. Por exemplo, em Tóquio, existem apenas 5 vagas de estacionamento para cada 100 carros e o governo estabeleceu um requisito que os cidadãos devem cumprir antes de obter uma licença de carro: para demonstrar que têm acesso a uma vaga de estacionamento. Outro exemplo é o país de Hong Kong. O alto investimento no desenvolvimento de um sistema eficiente de transporte público fez com que a maioria dos moradores morasse a menos de um quilômetro de uma de suas estações.

Um contexto regulatório flexível

A colaboração entre empresas, governos e outras partes interessadas também é fundamental  , pois é essencial determinar o equilíbrio certo entre os interesses dos clientes, operadores e a autoridade. O impacto que já foi alcançado através da associação de diferentes participantes no mercado de mobilidade já é inspirador e edificante.

Aqui estão alguns exemplos encorajadores:

  • Malta: Em parte devido à  colaboração de Malta Public Transport , o país se tornou um dos primeiros a adotar o  modelo MaaS . No  Meep  , tivemos o prazer de integrar uma ampla gama de serviços de transporte em nossa plataforma, o que levou a um sistema de transporte compartilhado e mais sustentável para os cidadãos de Malta.
  • Bélgica: O governo aprovou a habilitação de motoristas corporativos para optar pelo  orçamento de mobilidade em  vez do carro da empresa.
  • Helsinque: A estratégia do ministério de transporte finlandês incluiu um componente MaaS em sua legislação, que está em vigor desde 2011. Isso adicionado a uma rede de transporte público em bom funcionamento, estabeleceu uma boa base para o desenvolvimento de um novo serviço de transporte na cidade.

A implementação de soluções MaaS nas empresas também desempenhará um grande papel. Um grande número de empresas demonstrou seu compromisso com a redução de sua pegada ambiental . Alguns exemplos são a implementação de uma melhor gestão do fluxo do trabalhador, a redistribuição do subsídio de viagem do funcionário ou a oferta de descontos e outras recompensas para passageiros inteligentes em mobilidade.

No entanto, ainda há um longo caminho pela frente. É necessário dar grandes passos em direção às cidades nas quais:

  • Existe uma estrutura regulatória flexível que favorece acordos entre partes interessadas e organismos públicos e privados.
  • Há uma exploração de diferentes operadores que atuam como caixas de proteção para soluções pioneiras.
  • As startups aumentam suas chances de acessar os contratos públicos. É fundamental que as administrações públicas forneçam algum investimento inicial para impulsionar o ecossistema.
  • A administração pública incentiva o MaaS a garantir o acesso ao mercado de mobilidade para todos os operadores, independentemente do tamanho, e evita gargalos, monopólios e o desenvolvimento de sistemas fechados.
  • O trabalho é realizado por meio de arquiteturas seguras e interfaces padrão, a fim de facilitar a cooperação entre os vários membros de um ecossistema MaaS.
  • A organização EU Start Prize  está criando um Day After Manifesto para ajudar os líderes da UE a apoiar melhor a inovação e as startups.

Além disso, a integração de vários provedores de diferentes modos de transporte já utilizados em seus próprios esquemas de negócios e processos de dados, em uma única plataforma na qual o usuário interage, apresenta dificuldades. Juntar todas as peças do quebra-cabeça é um desafio real, mas embora o  MaaS ainda tenha alguns obstáculos a serem superados, com certeza é o melhor caminho a seguir para melhorar a saúde do planeta e para que os cidadãos desfrutem ao máximo da mobilidade urbana.

Categorias: Transporte

Você também pode se interessar:

11/08/2020
Por: Luiz Moura

A vez das novas necessidades na mobilidade corporativa

As constantes transformações na forma de ser de empresas e profissionais têm contribuído para que as necessidades pessoais e coletivas alternem de prioridade. Antes das recomendações de isolamento social, era provável que você tivesse interesse em adquirir um produto ou serviço que, dada a atual circunstância, pode ter deixado de ser uma necessidade latente. Quando […]

Leia mais
28/07/2020
Por: Luiz Moura

O importante papel da tecnologia na mobilidade para o período de retomada

Nada diferente dos demais processos evolutivos dos últimos séculos, a tecnologia vem tendo um papel importante na mudança de comportamentos durante a pandemia do coronavírus. Uma das grandes mudanças se refere à maneira como as pessoas decidem se locomover, tentando manter-se saudáveis e em atendimento às recomendações dos órgãos reguladores sanitários globalmente. Se, por um […]

Leia mais
13/07/2020
Por: Luiz Moura

O que a técnica de social listening tem a ver com uma gestão de mobilidade inteligente?

Na última semana, publicamos o primeiro artigo da série Competências para estruturar um programa de gestão de mobilidade eficiente. E, como citamos, nosso objetivo é trazer referências de algumas habilidades importantes para a figura de gestão de mobilidade nas organizações. Se você ainda não fez a leitura sobre como a gestão de projetos é fundamental para um […]

Leia mais

Receba as novidades sobre o universo da mobilidade

Acompanhe as últimas notícias da Voll. Inscreva-se para receber tudo em primeira mão através da nossa plataforma digital.