Blog

13/05/2020
Por: VOLL

Estudo da Universidade da Amsterdã indica que as pessoas sentem falta de poder usar diferentes modais de transporte

Organizada pelos professores Ori Rubin, Anna Nikolaeva, Samuel Nello-Deakin e Marco te Brömmelstroet, a pesquisa buscou responder como as pessoas começaram a ter ou mantiveram a visão sobre a experiência de trabalho de suas casas (a prática em voga do home office) e seus sentimentos sobre a mobilidade e deslocamentos.

“Como resultado das medidas excepcionais adotadas por muitos países para combater a pandemia do COVID19, o movimento de milhões de indivíduos foi restringido maneira sem precedentes. Em todo o mundo, as pessoas são incentivadas ou forçadas a trabalhar de casa em vez de ir para o local de trabalho regular. Isso apresenta uma única oportunidade de explorar questões sobre a importância da mobilidade na vida das pessoas, o papel do contato pessoal no trabalho e a importância da própria idéia de ‘ir trabalhar'”, cita o estudo.

A pesquisa foi feita com centenas de pessoas através de um formulário virtual, aplicado em diferentes países, com respondentes de diferentes faixas etárias e níveis de escolaridade. Os resultados estão disponíveis integralmente neste paper, mas fizemos um resumo dos principais resultados, que você confere neste artigo.


Opinião sobre a importância do contato olho-no-olho, durante o trabalho

46% agora acham que o contato pessoal é mais importante para desfrutar do trabalho do que pensavam antes (enquanto apenas 9% agora pensam que é menos importante).

A imagem é menos clara quando se trata de mudanças na percepção da importância do contato pessoal para tarefas de trabalho: 24% agora acham que é mais importante, mas uma proporção igual de 24% o considera menos importante.

Apesar de tudo isso, 45% dos entrevistados relatam serem mais positivos sobre o potencial de trabalhar em casa do que antes, enquanto apenas 14% são mais negativos.


Vantagens e desvantagens do trabalho de casa

A pesquisa revelou grandes variações nas vantagens e desvantagens percebidas de trabalhando em casa durante a pandemia de COVID-19 (gráfico abaixo).

Para pessoas sem filhos menos de doze anos, falta de contato social (64%), dificuldades no equilíbrio entre vida profissional e familiar (34%) e dificuldade de foco (30%) são as desvantagens mais importantes.

Para entrevistados com crianças com menos de doze anos, o aumento das tarefas domésticas e de assistência é percebido como de longe a maior desvantagem (67%).

Para ambos os grupos, as maiores vantagens percebidas não a desnecessidade de deslocamento (44%), capacidade de combinar trabalho com outras atividades (45%) e maior flexibilidade de programação (37%). Além disso, os homens relatam a falta de contato social como uma desvantagem de trabalhar em casa um pouco mais frequentemente do que as mulheres (homens: 63% vs 56%), e um pouco mais frequentemente relatam ter mais tempo do que as mulheres (homens: 35% vs mulheres: 27%).

 

Sentimento sobre o uso de transporte

Os utilizadores de carros próprios sentem menos falta dos deslocamentos: 55% das pessoas que apontaram não sentir falta alguma de utilizar o carro próprio para ir e vir do trabalho. Viajantes de bicicleta compõem o grupo que mais sente falta de se deslocar, com 91%.

Como era de se esperar, o sentimento de falta de deslocamento também diminui com o aumento da duração do trajeto. Mais de 40% das pessoas que utilizavam transporte para se locomover, em pelo menos 45 minutos por trecho, apontaram não sentir falta alguma de se deslocarem cotidianamente.

 

Conclusão: equilíbrio entre necessidade de deslocamento, trabalho em domicílio e amplitude de meios de transporte

Como resultado, a pesquisa apontou que, embora muitas pessoas saibam a possibilidade de trabalhar mais em casa, nossa o deslocamento também tem um valor intrínseco.

Inevitavelmente, as pessoas têm conflitos de desejos que precisam ser equilibrados: desejam economizar tempo e trabalhar com mais flexibilidade, mas também desejam contato cara a cara, ficar ao ar livre e passar (algum) tempo sozinho. No entanto, a maioria das pessoas não sentem falta das longas viagens, principalmente as realizadas de carro próprio.

No geral, os resultados sugerem que a maneira mais socialmente desejável de equilibrar esses concorrentes pode
um sistema que permita mais deslocamentos de diferentes meios de transporte (uso de bicicleta, patinetes e até a caminhada), juntamente com as oportunidades para trabalhar em casa (se desejado e possível).

É certo que há muitas nuances a serem adicionadas a esse quadro geral: diferenças entre os perfis de atividades, autonomia dos profissionais e necessidade de contato pessoal no trabalho.

O estudo sugere, por fim, que seus resultados devem ser entendidos como o início de uma conversa sobre a organização de trabalho e deslocamento, e não como uma conclusão firme.

Você também pode se interessar:

19/01/2021
Por: Livia Pizza

Gestão de mobilidade corporativa e tecnologia mobile: a melhor combinação

Para aumentar a eficiência dos processos de uma empresa, todos os pontos que envolvem a rotina de trabalho precisam ser constantemente otimizados — inclusive os que correspondem à mobilidade dos funcionários. Por isso, ter um sistema de gestão de mobilidade corporativa é tão importante. Neste artigo apresentamos quais são as principais características que tornam seu […]

Leia mais
06/01/2021
Por: Luiz Moura

Política de viagens: saiba agora como fazer a sua

Quando um funcionário viaja a trabalho, você saberia dizer exatamente qual é a qualidade do hotel em que ele deve ficar? Para a empresa comprar e emitir o bilhete aéreo, tem ideia de quais passos devem ser seguidos? Essas perguntas podem ser facilmente respondidas desde que exista uma política de viagens corporativas. Para entender como […]

Leia mais
Renata Maciel - Gestora de Mobilidade da CMPC Brasil
02/12/2020
Por: Luiz Moura

Destaques da mobilidade: tecnologia, integração e automação de processos é mais do que comodidade — é necessidade para a gestão de mobilidade, conta Renata Maciel, gestora da CMPC

Com experiência de mais de 20 anos nas áreas administrativa, de logística, comercial, planejamento, processos e facilities, a gaúcha Renata Maciel capitaneia uma das mais importantes atividades-suporte para a operação e o funcionamento da CMPC — uma das maiores fabricantes de celulose branqueada de fibra curta de eucalipto do Brasil. Hoje, ela administra várias modalidades […]

Leia mais

Receba as novidades sobre o universo da mobilidade

Acompanhe as últimas notícias da Voll. Inscreva-se para receber tudo em primeira mão através da nossa plataforma digital.