Blog

Indicadores de gestão de viagens corporativas
24/09/2021
Por: Livia Pizza

Análise de indicadores na gestão de viagens corporativas

Cada empresa estabelece sua política de viagens corporativas de acordo com a sua realidade. No entanto, para todas elas o controle de despesas é uma coisa certa. 

Uma viagem a trabalho consome muitos recursos. Estadia, transporte aéreo ou rodoviário, mobilidade local e alimentação compõem a base de gastos que, dependendo da duração, destino e motivo da viagem, podem significar um investimento alto. 

É nesse contexto que o uso de indicadores se tornam grandes aliados na gestão de viagens corporativas. Realizando o acompanhamento adequado, a empresa consegue empregar seus recursos de maneira inteligente. Confira 5 sugestões a serem utilizadas e seus benefícios.

1. Volumetria

Embora pareça nome de procedimento químico, a volumetria é um dos indicadores de viagens corporativas mais importante, pois serve para medir o volume de viagens que acontecem em um determinado período de tempo.

Independentemente do segmento da organização, a volumetria é fundamental para a composição de estratégias que aumentam a eficácia da gestão de viagem a trabalho — principalmente quando há uma separação por áreas.

Por exemplo, empresas de varejo que trabalham com uma equipe de vendas externas e uma equipe de relações públicas têm demandas diferentes de mobilidade corporativa para cada uma delas. 

Enquanto os vendedores se locomovem para vender, as viagens dos RP ‘s são direcionadas ao networking. Assim, o primeiro grupo precisa de soluções ágeis para o dia dia, as demandas do segundo grupo envolve flexibilidade para adotar as medidas necessárias para que os objetivos da viagem sejam atingidos. 

Medir a volumetria é o pontapé inicial para gerenciar o orçamento, medir o retorno sobre investimento e aplicar outros indicadores sejam eles de viagem ou não. 

2. Ticket médio

Da mesma forma que as empresas usam o ticket médio para medir suas vendas, o indicador também pode ser utilizado para medir o valor investido com as viagens corporativas.

O número revela uma base segura para estabelecer os próximos orçamentos, traçar estratégias que reduzam o ticket ao mesmo tempo que aumentam a produtividade das equipes em trânsito e investir em plataformas de mobilidade corporativa que tragam mais qualidade para a gestão de viagens.

3. Share de players e modalidades

Para diminuir o ticket médio e trabalhar com estratégias de locomoção com um ótimo custo-benefício, o que não falta são opções de hotéis, motoristas de aplicativos, locadoras de veículos e companhias aéreas para orçar os serviços.

Empresas que desejam ter pleno controle sobre o orçamento precisam ter uma boa visão sobre o custo de cada uma dessas modalidades e a sua representatividade na gestão financeira. O app VOLL, por exemplo, concentra todas essas opções, centralizando o pagamento inteiro da gestão de viagens.

Uber, 99 e mais 150 opções de táxis no mesmo app

Uber, 99 e mais de 150 opções de táxis no mesmo app

4. Satisfação dos colaboradores

Conhecer a satisfação dos colaboradores é um dado relevante em qualquer situação. Quando se trata das viagens corporativas, é fundamental que os profissionais se sintam seguros e protegidos durante toda a jornada fora do seu domicílio, além de ser uma forma de serem valorizados.

A nova geração chega ao mercado de trabalho com sede de se relacionar fora das paredes do escritório. Uma viagem de trabalho não é só uma viagem de trabalho, é uma oportunidade de fazer contatos, fechar negócios e praticar o bleisure.

O conceito chega com força total onde as viagens de negócio são estendidas para o lazer. Empresas que apostam no bleisure têm experimentado uma alta na atração e retenção de talentos, produtividade e engajamento

5. Custo total com mobilidade

Mesmo analisando todos os indicadores sugeridos ao longo deste post, o custo total com mobilidade não deve ser descartado. Ele garante a visão unificada de todos os players utilizados nas viagens corporativas, contribuindo para que os gestores entendam se as opções escolhidas estão ou não alinhadas ao negócio.

Além disso, ao cruzar dados como volumetria, share de players e ticket médio, o gestor pode descobrir os períodos e companhias mais baratas para voar. 

Esse é um exemplo é uma dica valiosa sobre como usar os indicadores de maneira estratégica: comprando a passagem aérea com antecedência e concentrando o número de viagens nesse período, a garantia de economia é certa. 

Viu como vale a pena analisar indicadores na gestão de viagens corporativas?

Vale ressaltar que conhecer o custo total com mobilidade permite que a organização invista em outras práticas, como bleisure. Como falamos no tópico anterior, a tendência tem se fortalecido com a entrada de novas gerações no mercado.

Somos a VOLL, uma empresa que ajuda você a manter o controle das despesas com viagens e utilizar esses indicadores com inteligência. Experimente grátis o novo app.

Categorias: Transporte

Você também pode se interessar:

Mobilidade urbana sustentável: pessoas se movimentam em grande certo urbano
26/11/2021
Por: Amanda Doimo

Mobilidade urbana sustentável: é possível?

Já parou para pensar sobre o impacto das escolhas dos meios de transporte para uma mobilidade urbana sustentável?  Imagine a seguinte situação: você sai da sua casa para o trabalho, utiliza transporte público ou dirige seu próprio carro, todos os dias. Além de você, seus colegas de trabalho, vizinhos, familiares e mais milhões de pessoas costumam […]

Leia mais
24/11/2021
Por: Lucas Machado

5 motivos para contratar seguro viagem para seus colaboradores

Ninguém está livre de imprevistos ao viajar. Perder um voo, ter a bagagem extraviada, ou, ainda pior, adoecer e precisar ser internado. Além do desgaste emocional, esses contratempos costumam significar gastos inesperados e exorbitantes. Nas viagens a trabalho, quando a responsabilidade pelos colaboradores é totalmente da empresa, essas situações podem ser ainda mais complicadas. Nesse […]

Leia mais
Duty of care e viagens corporativas
09/09/2021
Por: Livia Pizza

Duty of care: como manter a satisfação do viajante corporativo

O duty of care é um termo em inglês que ao traduzir significa dever de cuidar. No contexto corporativo, trata-se de uma obrigação ética e legal que as empresas têm para garantir a integridade física, saúde, segurança e bem-estar dos colaboradores. Na prática, cuidar do colaborador traz mais benefícios do que simplesmente promover a sua […]

Leia mais

Receba as novidades sobre o universo da mobilidade

Acompanhe as últimas notícias da Voll. Inscreva-se para receber tudo em primeira mão através da nossa plataforma digital.